18.11.05

...sem sentir


...o som dos passos na calçada
os vultos com quem me cruzo,
os cumprimentos que faço,
os sorrisos que distribuo…
.....
Tudo sem sentir!...
..….
Perfeita anestesia!!...
.….
A mecânica do ser?
A obrigação da educação?
A desilusão?
.….
Algures ficou o calor dos afectos,
A luz dos sorrisos,
O som das gargalhadas,
A vontade da emoção…
….
Venha a rotina do dia
Venham as horas de ponta
Venha o café e o cigarro
Venha o trabalho
Venham os rostos indiferentes
Venham as frases sem som
Venha a vida insonsa…

..... assim é mais fácil não sentir nada…

Carla Ramos
08/02/2005

3 comentários:

Alentejano disse...

Parabéns pelo poema!!!

Anónimo disse...

não pudemos nem devemos deixar de sentir,
mas correria desenfreada,sem darmos conta começamos a não sentir...
um outro olhar

Anónimo disse...

Não te enganes!! As emoções não se repetem... o que queres sentir já não existe... aprende a gostar do que sentes hoje, que amanhã bater-te-à o coração com uma emoção desconhecida...