9.1.07

"Um Almoço de Negócios em Sintra"-Hoje, Gerrit Komrij escreveria este livro?


Terminei a leitura de um livro excelente, pela qualidade da escrita e das “estórias” que, no todo, retratam o povo que fomos num passado não muito longínquo; apesar dos ventos que vão soprando algum progresso, estas cento e sessenta páginas de prosa ainda reflectem um pouco do povo que somos – tão actuais em certos casos e situações que me revejo em algum lugar onde oito anos de distância pouco ou nada acrescentaram às imagens que o autor retratou com mestria.
"Um Almoço de Negócios em Sintra", "é um retrato em corpo inteiro de Portugal e dos portugueses…" à data da primeira edição; antes, já o autor deambulava por aí de olhos bem abertos, por isso não é de estranhar a sua perspicácia na análise de hábitos e costumes enraizados na vivência de um povo.
Gerrit Komrij, escritor, poeta, ensaísta e tradutor, holandês pelo nascimento, é "oliveirense" adoptivo. São da sua lavra as estórias reais que verteu para esta obra, editada e reeditada em 1999.
Possivelmente, o livro está fora do circuito comercial, por isso não há intenção de levar eventuais leitores à sua aquisição, o que não seria de todo inútil, confesso, porque a leitura de "Um Almoço de Negócios em Sintra" talvez contribuísse para cada um de nós esboçar, pelo menos, o seu auto-retrato. Estou certo que encontraríamos "pontos comuns" com algumas figuras ali descritas, não nos pormenores estéticos, mas perfeitamente identificados nas personalidades recebidas por herança e das quais não nos conseguimos libertar, vá-se lá saber porquê (ou sabemos?).
O senhor Gerrit está, no livro, contra os senhores dos guichés das repartições públicas, (e eu também - estamos todos!) porque, como relata "muito nas calmas, vão cavaqueando…"; salienta, pela negativa, a enorme burocracia de que somos vítimas, e dos bucólicos e ronceiros carros de bois (ainda circulam por aí?) poetiza uma imagem simpática, mas não compreende "o que é isso de existir uma alma portuguesa", talvez fatalista - tão fatalista como a força do fado que não consegue definir. É – escreve – sentimental de alto a baixo, sem nunca ser vulgar.
A aldeia onde mora o "nosso conterrâneo", escreve, é muito carente, mas o presidente de Junta de Freguesia (naturalmente, o livro no seu todo ou em parte foi escrito por altura de eleições autárquicas) não se cansou de fazer promessas "eleitoralistas"!. "Veremos se cumpre, sobretudo o alargamento do cemitério", mas o senhor Gerrit sugere ao eleito: já que "à menor lufada de vento, falta a electricidade. Dez, doze vezes, por minutos ou por umas horas. O senhor presidente da junta bem poderia pedir um reforço do distribuidor local". Hoje como ontem, afinal…
O incumprimento de horários é outro dos aspectos do retrato de ser português…
As casas tipo "maison" também não passaram despercebidas ao seu olhar atento, e um dos capítulos é inteiramente dedicado à "fealdade com que Portugal está salpicado".
Singelas citações da obra servem, tão só, para se ficar com uma ideia do manancial das observações descritas - algumas incomodam pela irreverência do conto, mas certo sentido de humor, adoça a prosa. Poderia "surripiar" do livro outros apontamentos interessantes, mas como estão inseridos em determinados contextos, seria pura especulação o acto em si. Fica, porém, o conselho: se tiverem oportunidade, não deixem de saborear as "estórias" deste "Almoço de Negócios em Sintra".
O País que temos, caminha em velocidade cruzeiro, de facto, mas lá vai fazendo pela vida e nem tudo está como era dantes, felizmente. Hoje, Gerrit Komerij escreveria este livro?
...
Gerrit Komerij é uma das figuras mais marcantes da vida intelectual holandesa. Em 1993 foi-lhe atribuído o prémio P.C. Hooft de Ensaio, um dos mais importantes galardões literários do seu país. É autor de mais de meia centena de obras literárias e contabiliza uma mão cheia de prémios prestigiantes; em 2000 foi eleito pelo público para ser o Poeta da Nação (Holanda), estatuto que é atribuído por um período de cinco anos. Vive em Vila Pouca da Beira desde 1984.

4 comentários:

Guida disse...

Vim aqui ter porque empurrou a minha porta só encostada. Fez bem. :-) É por isso que não dou a volta à chave. :-)
Mas agora com este texto que li fiquei como se tivesse folheado o livro sem o poder comprar...com MUITA pena de não o ter aqui em cima da mesa.

Pascoalita disse...

Não conheço o Autor, não li o livro, mas conseguiu transportar-me para os aspectos que chocaram o autor e nos chocam apesar de sermos "portugueses". Infelizmente pouca coisa terá mudado desde então ... atrevo-me a acreditar que o livro fosse escrito hoje, sim! Boa semana

Natacha disse...

Este livro é excelente. Na altura que o li, há já uns anos, lembro-me que concordei com muito do que o autor descreve, inclusive com o que ele descreve da sociedade holandesa ;) Sinceramente, todos os portugueses deviam ler este livro, principalmente a geracao mais velha dos anos 60. Ele faz aquilo que falta aos portugueses, capacidade de critica, mas também capacidade de amar o que temos de bom. Sempre que vou a Portugal das duas uma, ou odeiam tudo e todos (inclusive desprezam tudo o que seja parte da tradicao, como os azulejos, as casas antigas, etc), ou aí de quem falar mal dos portugueses e da sua história (e na há como explicar que a nossa história tem as suas nódoas e que há necessidade de pessoas qualificadas nas camaras municipais). Mas nada como viajar pelo mundo para se entender o país das amendoeiras em flor (em extincao)...

mch disse...

Muito obrigado por este apontamento
Estava a pesquisar Gerritt porque ele escreveu o libretto de uma opera sobre o grande Damião de Góis e encontrei esta sua referencia ao livro. Ver se encontro o livro
MEndo Castro Henriques