9 de outubro de 2006

Como em Agosto...

Posso não te querer, mas quero-te muito!
Por isso, invento-te
Numa das rosas que apanho no quintal,
Quando as há;
Se não há, passo pelo canteiro de Agosto e imagino-as da mesma cor,
Quando as houver,
Em Agosto.