16 de abril de 2006

De novo Abril!


O cenário está pronto,
os músicos apalavrados,
e até o Vieira dirá poesia do Zeca
- tudo nos "conformes" para não esquecer as flores de Abril,
cravos , rosas,
pensamento, intervenção cívica,
barbas e cabelo comprido,
a malta da Lisnave na "cabrinha" numa "luta de classes com doses de tigres" e cerveja até fartar,
baladeiros e cantores, poetas, músicos,
greves,
Alentejo, reforma agrária,
África, retornados,
raivas, medos, amores e desamores,
paises novos,
sangue, lágrimas...
Eu sou um pouco de tudo isto neste Abril sem dono.
A festa promete!