27 de março de 2007

"Morrer de amor"

...
"...Sempre tinha julgado que morrer de amor não passava de uma liberdade poética.Naquela tarde, de regresso a casa outra vez sem o gato e sem ela, verifiquei que não era só possível morrer, mas que eu próprio, velho e sem ninguém, estava a morrer de amor.
Mas também me apercebi que era válida a verdade contrária: não teria trocado por nada deste mundo as delícias do meu pesar".
____
Gabriel Garcia Márquez
"Memórias das minhas putas tristes"

6 comentários:

  1. Como técnica de saúde senti-me na obrigação de o informar que o amor não é causa directa de morte...
    Contudo "fazer O AMOR" pode ser causa de morte, se não tiver consentimento médico para fazer exercício! :)-

    Deu-me para a maluquice!

    A vida é uma passagem muito curta... dê um pontapé no passado e vá á bola com o presente...

    OK! desisto hoje so digo maluquices!!

    beijos da sobrinha

    ResponderEliminar
  2. Rsrsrsrs.
    Gargalhei e concordo absolutamente com a sobrinha.
    O que igualmente me fez rir foram as prioridades de Gabriel Garcia Márquez...
    1º a gata... somente depois a dona da dita.
    Lol.
    maf

    ResponderEliminar
  3. É possível morrer seja de que for. Basta desistir de viver. Mas sobretudo é fácil morrer de amor.
    Grande Garcia Marquez!

    :)

    ResponderEliminar
  4. Margarida.mariamaressexta-feira, 06 abril, 2007

    De um "gato" e de uma "ela" se fazem o aconchego e a vida de um lar. Se faltam, fica-se perdido num deserto sem direcção nem lugar para onde ir. Um deserto onde sempre teríamos estado se o lar não tivesse chegado a existir.
    Por isso vale sempre a pena tê-lo tido e guardá-lo, nem que seja só na memória.

    Eu sei que é assim.

    ResponderEliminar
  5. Acho que sim, que se pode morrer de amor...

    ResponderEliminar
  6. "sem o gato e sem ela" por esta ordem???

    ResponderEliminar