14 de fevereiro de 2007

Hoje...


Abri as mãos, vieram "margaridas" que distribuo às senhoras de todas as idades que me honram com amizade fraterna;
para a Margarida, que tem nome de flor, uma rosa da cor dos seus intocáveis sentimentos. Fosse perto, e teriam outra matiz..
Eu, que pouco sei de mim, perdi a capicua que foi vermelha - agora ofereço "margaridas" ao café, sem segredos .