30.5.07


Para quebrar a "monotonia" dos textos,
uma pintura de Miquel Barceló

29.5.07

"Mãe Coragem"

O texto é um pouco longo, mas justifica alguma atenção.
.......

Logo a seguir à revolução de Abril, o Teatro Ádoque levou à cena, em Lisboa, a peça de Bertolt Brecht ,“Mãe Coragem” – coisa nunca vista antes na capital do Império, por razões de fácil dedução!

A força da personagem transvaza de intensidade no apego de uma mulher à vida; os filhos e a sobrevivência (através do negócio) da família ,em tempo de guerra, não permitem demasiados sonhos! Ela pode ser tudo, menos “heroína”!

Margarida Neves, necessariamente noutro contexto, é outra “mãe coragem” que Brecht não teria desdenhado - como a Anna Fierling, fica-lhe bem o epíteto de “mãe do coração”.

MARGARIDA NEVES

Os cenários, estilizados ou não, a carroça que a ”Mãe” arrasta em cena, os filhos, que acaba por perder na guerra, os diálogos, as canções – eis parte da “estória”.

Para a Margarida Neves, o papel que lhe coube em sorte, na vida real, faz dela outra “mãe coragem”, ou não fosse mulher de carácter, capaz de aceitar com afecto, dedicação, e o sacrifício que se adivinha, a educação de uma criança carenciada de toda e qualquer qualidade de vida.

Tudo começou com a iniciativa da Joana, sua filha mais nova:

A principio as visitas eram espaçadas, começou pelo Natal, depois aos fins-de-semana; os laços de ternura foram ficando cada vez mais apertados, passaram-se seis anos - tempo suficiente para o Vasco André se transformar no filho que a Margarida nunca teve.

- “Um dia de Dezembro de 2001, a Joana perguntou se podia ir ao Centro de Acolhimento Temporário, em Tábua, e trazer um menino de seis anos para passar o Natal connosco, por sugestão do CAT. Disse que sim, com toda a naturalidade, e a partir daí a criança passou a fazer parte da família a “meio tempo”.

Ano e meio depois, o menino tinha os índices emocionais quase estabilizados e melhorara o aproveitamento escolar; a pedido da Assistente Social que acompanhava o processo de inserção do Vasco, ficámos como “Família de Acolhimento”. Iniciou-se o processo jurídico no Tribunal de Menores, e em Novembro e 2003 o Vasco foi transferido de Tábua para Oliveira. Tratámos de o matricular na escola em Oliveira, mas por razões várias teve de ir para Gavinhos. De manhã vou deixá-lo na escola, à tarde, depois de sair do meu emprego, vou buscá-lo, Felizmente tenho alguma colaboração para ele ocupar os tempos livres, principalmente da professora Belmira, inexcedível de atenções e cuidados no seu processo evolutivo.

Quando entrar para o Ciclo, espero que lhe seja dispensado tratamento semelhante porque as exigências escolares e de companheirismo são outras”.

Um menino vindo de longe

Vasco André Guedes Vicente, tem doze anos, frequenta a quarta classe da escola de Gavinhos, e nasceu em S. João da Pesqueira. Os pais, de origem humilde, não têm disponibilidades económicas para sustentar a família; um dos irmãos do Vasco, que também esteve no CAT de Tábua, foi adoptado, e é por aí que se ficam as memórias desta criança. Da sua nova família, diz que é constituída pela “mãe Guida, duas irmãs e uma sobrinha (as filhas e neta da Margarida Neves)”. Dos pais naturais não fala.

- Acredito que não tenha saudades dos pais, mas estou em crer que pensa neles, embora nunca tenha comentado o que quer que fosse. É traumatizante para qualquer criança o sentimento de desprezo a que está sujeito, como foi o caso: falta de carinho, alimentação, higiene e todos os outros cuidados básicos são demasiadas falhas no crescimento harmonioso de qualquer ser humano. O Vasco, infelizmente, carregava esse enorme fardo, pesadíssimo como se imagina; a nossa obrigação (minha e das minhas filhas) a partir do momento em que decidimos que ele passaria a fazer parte da família deixou de ter limites, e tudo temos feito para que ele se transforme num homem responsável e educado, honesto e trabalhador – não vamos exigir que seja “doutor”, mas será, estou certa, trabalhador exemplar, talvez “Bombeiro”, que é um dos seus sonhos de menino; para o aproximar da Instituição, vai começar pela Fanfarra”…

Necessariamente, o Vasco continua com acompanhamento científico, a pedido da mãe Margarida, que realça o excelente trabalho desenvolvido pela Psicóloga Patrícia, com quem o Vasco gosta de estar.

- “O menino quando veio para junto de nós tinha algum atraso no crescimento, por isso todo o trabalho que tem sido desenvolvido por quem lida de perto com o Vasco tem sido fundamental. Leva tempo até ele conviver com os jovens da sua idade com os mesmos objectivos, porque continua a existir uma diferença de comportamento em relação às outras crianças da sua idade. Com doze anos, já deveria frequentar outra escola e ter acompanhamento específico, mas infelizmente, no nosso País, é difícil para os pais de crianças inadaptadas recorrerem a outras alternativas no ensino”.

Margarida Neves consolidou o respeito e admiração de quem conhece o “caso Vasco” com algum pormenor, e elogia-se a coragem que, na sua opinião, ”não considera como tal”.

- “Eu e as minhas filhas fizemos o que as nossas consciências determinaram, e não contabilizamos os esforços económicos, físicos e mentais quando está em causa um ser humano carenciado. Faço a minha parte – espero que a sociedade cumpra com a sua”.

Adoptar o Vasco André não é prioritário. Segundo a Lei, a criança, a família de acolhimento e os pais naturais ficam sujeitos a avaliação de dois em dois anos. Nestes seis anos de “Mãe Coragem”, diz Margarida, as maiores alterações, francamente positivas, aconteceram na mente do Vasco – cresceu, evoluiu, fez-se “homem”, e lá mais para a frente, promessa de mãe, há-de conhecer os irmãos e os pais biológicos.

24.5.07

"Porto Seguro"



Coloco a frase no masculino e fico eu, por inteiro...
" Aprendi com a primavera a deixar-me cortar e voltar sempre inteira "
(Cecília Meireles)
(Surripiado à Teresa, quase família dos meus afectos)

15.5.07

Nós, os crescidos

Diz-se por aqui que está eminente o divórcio de um simpático e conhecido casalinho com quem mantenho excelente relação de amizade.

Como se calcula, o caso é notícia de primeira página - até a minha mãe, que passa das oitenta primaveras, veio, pedindo segredo, dizer-me para não comentar, mas fala-se, se eu sabia de alguma coisa; que não, respondi – e a conversa morreu assim mesmo.

Na verdade, a resposta foi uma mentirinha sem maldade.

Conheço a situação com algum pormenor, e lamento que pouco ou nada possa ser feito, na opinião de um dos intervenientes na futura contenda jurídica, para “salvar” uma relação de anos, “abençoada” com a existência de uma criança – é ela que me traz a terreiro na vontade de tecer meia dúzia de considerações muito minhas, mas sem direitos de autor, de tão comezinhas que são, ao alcance da lógica comum.

Quando o casamento começa a ficar preso por arames, a separação é, na maior parte das vezes, uma boa solução, se for equilibrada, respeitosa e civilizada. Na falta do amor, que fique amizade, respeito (sempre!), compreensão e o indispensável diálogo. Existem, como se sabe, situações onde nem sempre é possível levar o barco a bom porto, com consequências dramáticas

Cada caso é um caso, com leitura específica, e como não tenho formação científica que me permita argumentar com explicações filosóficas ou outras, falo do que sei, das minhas experiências …

O casamento talvez seja um jogo de “fortuna e azar”.Por mim, sou capaz de encarar o contrato matrimonial como o preâmbulo de uma peça de teatro em vários actos: nuns, a comédia toma conta do cenário; noutros, o drama desvirtua o texto original e fica sem actores à altura do enredo

Da plateia, vejo o casalinho à boca do proscénio; os dois vão sair de cena sem honra nem glória, depois do desempenho dos personagens ter merecido aplausos até ao segundo acto.

O estilo da peça talvez se transforme numa tragicomédia: a família assiste, impotente, e a criança, filha do casalinho desavindo, fica sem espaço para desempenhar o papel que lhe cabia por direito.

Na verdade, nós, os crescidos, pouco nos importamos com os efeitos devastadores de um divórcio antecedido de mentiras e enganos, com ou sem violência física, mas certamente com alguma tirania verbal - é da praxe que assim seja(?), na maioria das vezes. A gravidade é maior quando os filhos assistem aos mimos com que os pais se digladiam, mas esse pormenor parece não justificar moderação nas palavras e nos actos.

Mais tarde, as críticas da comunidade, a propósito do comportamento cívico de determinado jovem, podem ser injustas, se as culpas lhe são assacadas por inteiro. Nós, os crescidos, com facilidade sacudimos a “água do capote”, mas continuamos críticos, perversos e parciais na justeza das opiniões

O tema a que me propus tem girado à volta da ausência do amor no casamento e, por essa razão, sem os valores morais com que se construiu um mundo de sonhos.

Por outro lado, embora existindo amor, que dizer dos descasamentos sugestionados por bruxos e adivinhos?

Nem tudo se sabe a este respeito, mas aqueles (as) que não acreditam nos especialistas, sempre vão dizendo… que os há – na dúvida (?), deixam uma porta meio aberta; nunca se sabe… há atribulações que justificam todos os “meios” para descortinar o futuro!

Sempre existiram pessoas com determinadas faculdades para as quais não encontramos explicação, e a comunidade científica não tem respostas absolutas para o transcendental; mesmo assim, terminar uma relação amorosa, porque as cartas, os búzios, a bola de cristal ou outro tipo de suporte “espiritual” o determina, não lembra ao “diabo”!

Em tempos não muito recuados, uma decisão do estilo foi demasiado dolorosa para quem seguiu o conselho do (a) “vidente”.O matrimónio, na verdade, atravessara tempos difíceis, mas nem de boatos se alimentou a opinião pública; o casal dialogou e tudo parecia ter voltado à normalidade; o amor entre os dois e os filhos mereciam nova oportunidade.

Um dia, a senhora, que sempre fora mãe exemplar e esposa dedicada, tomou a drástica deliberação de abandonar a casa da família, marido e filhos, sem razões aparentes que o justificassem!

…Soube-se, mais tarde, quando uma depressão lhe minava o corpo e a alma, que os “astros”, pela voz de certo charlatão, tinham deixado aviso solene: o marido seria acometido de doença fatal e ela iria passar tempos difíceis, cuidando dele. Então, contou, faltou-lhe coragem para enfrentar a “enfermidade do companheiro”, e numa atitude de total cobardia, saiu de cena!

A consciência, primeiro num sussurro, depois aos “berros”, chamou-lhe nomes feios – tão feios que, diz, fizeram dela a imagem da vergonha!

Se o arrependimento tivesse asas, teria voltado ao aconchego do ninho no beiral, como as andorinhas na Primavera, mas era tarde de mais!

O ex-marido está de boa saúde e recomenda-se.

2.5.07

"Pavarotti" de penas

Forçado ao repouso, procuro cumprir com algum rigor a abstinência ao trabalho e às conversas longas; a dieta alimentar é sensaborona, mas o que mais me cansa, é estar de costas direitas, à espera que o tempo passe. A inércia nunca fez parte dos meus hábitos, mas como a ordem veio de cima, do médico que me assistiu nos HUC, faço-lhe a vontade, na esperança, como disse, de continuar por cá por mais uns tempos – sempre acontecem coisas novas, se não houver sabedoria, que haja conhecimento!

Na aldeia onde me "refugiei", o tempo parece mais vagaroso, por isso deixo o olhar perder-se no horizonte, visto do meu quintal: mimosas "perna-longas" de um lado, casas velhas desabitadas à minha frente, do outro lado, lá longe, um monte coberto de pinheiros, e atrás de mim a sombra da casa resguarda-me do calor primaveril.

No relvado, um melro anda aos saltinhos e em silêncio (e se é bonito o seu cantar!); faço um pequeno gesto, levanta voo e esconde-se na selva que invadiu o quintal do vizinho. Às mimosas, juntaram-se as silvas e arbustos que não conheço, cobrindo por completo as oliveiras. O melro deve ter o ninho nesta mata impenetrável…

Os pesticidas que os meus conterrâneos usam nos ataques às pragas e ervas daninhas (uma boa infusão de urtigas resolvia, não é "mestre" Zeferino?) afugentaram os pintassilgos que, noutros tempos, festejavam a Primavera com acordes de uma sinfonia, em homenagem à mãe Natureza. Uma vez, aqui perto, descobri um ninho destes passarinhos. Espreitei e vi três ovinhos de cor creme, pintalgados de cinzento. Dei tempo ao tempo e acompanhei a eclosão da ninhada.

Quando o vizinho (habituado a ir "aos ninhos" desde miúdo, coisa que nunca fiz…) entendeu que tinha chegado a hora da transferência, fez-se a mudança para uma gaiola, na esperança de que os pais, segundo ele, os alimentassem; estes, coitados, não gostaram que tivéssemos interferido na educação dos filhotes, por isso manifestaram-se de forma "ruidosa", sem se aproximarem da prisão, o que me deixou preocupado e, mais do que isso, bastante incomodado. Nem uma hora durou o martírio, porque, com paciência e jeito, devolvi os bebés à "casa" onde nasceram, felizmente sem consequências graves. Tempos depois, a família estava junta nos ramos da oliveira. Decidi que não voltaria a cercear a liberdade a nenhum animal que estivesse habituado à liberdade.

Para que a gaiola de grades brancas não ficasse vazia, comprei um canário de cor amarela – um autêntico tenor pela qualidade e pujança do canto! A partir de então, esta espécie de ave canora passou a fazer parte do meu mundo de sons. Agora, são dois os cantores que tenho na sala, cada um na sua gaiola. O mais atrevido é jovem e irrequieto; nunca lhe dei nome de gente, o que não aconteceu com o "Pavarotti", que habita a gaiola do rés-do-chão – baptizado com propósito pela Acácia à saída da loja da especialidade. Meses depois, a Acácia decidiu que lá em casa dois gatos não eram, de facto, a melhor companhia para o cantor de penas, ainda que este estivesse a salvo das arremetidas dos felinos, e pediu-me para o trazer para o jardim de entrada do meu local de trabalho.

As vidas do "Pavarotti" e do seu companheiro tenor eram tranquilas, pareciam "felizes" no cativeiro e as pessoas deliciavam-se com as "cantigas ao desafio". Um dia, a Acácia veio com uma novidade afiada na ponta da língua e quebrou em estilhaços o laço de cristal Lalique que prendia os sentimentos de ambos. Nessa hora, a sorte do "Pavarotti" ficou traçada: não voltaria à varanda do terceiro andar!

Agora, canta só para mim.

O Melro, esse insiste nos saltinhos, levantou vôo e leva qualquer coisa no bico. No meio daquela selva, quem se atreve a procurar o ninho?