Para quebrar a "monotonia" dos textos,
uma pintura de Miquel Barceló