2 de maio de 2007

"Pavarotti" de penas

Forçado ao repouso, procuro cumprir com algum rigor a abstinência ao trabalho e às conversas longas; a dieta alimentar é sensaborona, mas o que mais me cansa, é estar de costas direitas, à espera que o tempo passe. A inércia nunca fez parte dos meus hábitos, mas como a ordem veio de cima, do médico que me assistiu nos HUC, faço-lhe a vontade, na esperança, como disse, de continuar por cá por mais uns tempos – sempre acontecem coisas novas, se não houver sabedoria, que haja conhecimento!

Na aldeia onde me "refugiei", o tempo parece mais vagaroso, por isso deixo o olhar perder-se no horizonte, visto do meu quintal: mimosas "perna-longas" de um lado, casas velhas desabitadas à minha frente, do outro lado, lá longe, um monte coberto de pinheiros, e atrás de mim a sombra da casa resguarda-me do calor primaveril.

No relvado, um melro anda aos saltinhos e em silêncio (e se é bonito o seu cantar!); faço um pequeno gesto, levanta voo e esconde-se na selva que invadiu o quintal do vizinho. Às mimosas, juntaram-se as silvas e arbustos que não conheço, cobrindo por completo as oliveiras. O melro deve ter o ninho nesta mata impenetrável…

Os pesticidas que os meus conterrâneos usam nos ataques às pragas e ervas daninhas (uma boa infusão de urtigas resolvia, não é "mestre" Zeferino?) afugentaram os pintassilgos que, noutros tempos, festejavam a Primavera com acordes de uma sinfonia, em homenagem à mãe Natureza. Uma vez, aqui perto, descobri um ninho destes passarinhos. Espreitei e vi três ovinhos de cor creme, pintalgados de cinzento. Dei tempo ao tempo e acompanhei a eclosão da ninhada.

Quando o vizinho (habituado a ir "aos ninhos" desde miúdo, coisa que nunca fiz…) entendeu que tinha chegado a hora da transferência, fez-se a mudança para uma gaiola, na esperança de que os pais, segundo ele, os alimentassem; estes, coitados, não gostaram que tivéssemos interferido na educação dos filhotes, por isso manifestaram-se de forma "ruidosa", sem se aproximarem da prisão, o que me deixou preocupado e, mais do que isso, bastante incomodado. Nem uma hora durou o martírio, porque, com paciência e jeito, devolvi os bebés à "casa" onde nasceram, felizmente sem consequências graves. Tempos depois, a família estava junta nos ramos da oliveira. Decidi que não voltaria a cercear a liberdade a nenhum animal que estivesse habituado à liberdade.

Para que a gaiola de grades brancas não ficasse vazia, comprei um canário de cor amarela – um autêntico tenor pela qualidade e pujança do canto! A partir de então, esta espécie de ave canora passou a fazer parte do meu mundo de sons. Agora, são dois os cantores que tenho na sala, cada um na sua gaiola. O mais atrevido é jovem e irrequieto; nunca lhe dei nome de gente, o que não aconteceu com o "Pavarotti", que habita a gaiola do rés-do-chão – baptizado com propósito pela Acácia à saída da loja da especialidade. Meses depois, a Acácia decidiu que lá em casa dois gatos não eram, de facto, a melhor companhia para o cantor de penas, ainda que este estivesse a salvo das arremetidas dos felinos, e pediu-me para o trazer para o jardim de entrada do meu local de trabalho.

As vidas do "Pavarotti" e do seu companheiro tenor eram tranquilas, pareciam "felizes" no cativeiro e as pessoas deliciavam-se com as "cantigas ao desafio". Um dia, a Acácia veio com uma novidade afiada na ponta da língua e quebrou em estilhaços o laço de cristal Lalique que prendia os sentimentos de ambos. Nessa hora, a sorte do "Pavarotti" ficou traçada: não voltaria à varanda do terceiro andar!

Agora, canta só para mim.

O Melro, esse insiste nos saltinhos, levantou vôo e leva qualquer coisa no bico. No meio daquela selva, quem se atreve a procurar o ninho?