29.5.07

"Mãe Coragem"

O texto é um pouco longo, mas justifica alguma atenção.
.......

Logo a seguir à revolução de Abril, o Teatro Ádoque levou à cena, em Lisboa, a peça de Bertolt Brecht ,“Mãe Coragem” – coisa nunca vista antes na capital do Império, por razões de fácil dedução!

A força da personagem transvaza de intensidade no apego de uma mulher à vida; os filhos e a sobrevivência (através do negócio) da família ,em tempo de guerra, não permitem demasiados sonhos! Ela pode ser tudo, menos “heroína”!

Margarida Neves, necessariamente noutro contexto, é outra “mãe coragem” que Brecht não teria desdenhado - como a Anna Fierling, fica-lhe bem o epíteto de “mãe do coração”.

MARGARIDA NEVES

Os cenários, estilizados ou não, a carroça que a ”Mãe” arrasta em cena, os filhos, que acaba por perder na guerra, os diálogos, as canções – eis parte da “estória”.

Para a Margarida Neves, o papel que lhe coube em sorte, na vida real, faz dela outra “mãe coragem”, ou não fosse mulher de carácter, capaz de aceitar com afecto, dedicação, e o sacrifício que se adivinha, a educação de uma criança carenciada de toda e qualquer qualidade de vida.

Tudo começou com a iniciativa da Joana, sua filha mais nova:

A principio as visitas eram espaçadas, começou pelo Natal, depois aos fins-de-semana; os laços de ternura foram ficando cada vez mais apertados, passaram-se seis anos - tempo suficiente para o Vasco André se transformar no filho que a Margarida nunca teve.

- “Um dia de Dezembro de 2001, a Joana perguntou se podia ir ao Centro de Acolhimento Temporário, em Tábua, e trazer um menino de seis anos para passar o Natal connosco, por sugestão do CAT. Disse que sim, com toda a naturalidade, e a partir daí a criança passou a fazer parte da família a “meio tempo”.

Ano e meio depois, o menino tinha os índices emocionais quase estabilizados e melhorara o aproveitamento escolar; a pedido da Assistente Social que acompanhava o processo de inserção do Vasco, ficámos como “Família de Acolhimento”. Iniciou-se o processo jurídico no Tribunal de Menores, e em Novembro e 2003 o Vasco foi transferido de Tábua para Oliveira. Tratámos de o matricular na escola em Oliveira, mas por razões várias teve de ir para Gavinhos. De manhã vou deixá-lo na escola, à tarde, depois de sair do meu emprego, vou buscá-lo, Felizmente tenho alguma colaboração para ele ocupar os tempos livres, principalmente da professora Belmira, inexcedível de atenções e cuidados no seu processo evolutivo.

Quando entrar para o Ciclo, espero que lhe seja dispensado tratamento semelhante porque as exigências escolares e de companheirismo são outras”.

Um menino vindo de longe

Vasco André Guedes Vicente, tem doze anos, frequenta a quarta classe da escola de Gavinhos, e nasceu em S. João da Pesqueira. Os pais, de origem humilde, não têm disponibilidades económicas para sustentar a família; um dos irmãos do Vasco, que também esteve no CAT de Tábua, foi adoptado, e é por aí que se ficam as memórias desta criança. Da sua nova família, diz que é constituída pela “mãe Guida, duas irmãs e uma sobrinha (as filhas e neta da Margarida Neves)”. Dos pais naturais não fala.

- Acredito que não tenha saudades dos pais, mas estou em crer que pensa neles, embora nunca tenha comentado o que quer que fosse. É traumatizante para qualquer criança o sentimento de desprezo a que está sujeito, como foi o caso: falta de carinho, alimentação, higiene e todos os outros cuidados básicos são demasiadas falhas no crescimento harmonioso de qualquer ser humano. O Vasco, infelizmente, carregava esse enorme fardo, pesadíssimo como se imagina; a nossa obrigação (minha e das minhas filhas) a partir do momento em que decidimos que ele passaria a fazer parte da família deixou de ter limites, e tudo temos feito para que ele se transforme num homem responsável e educado, honesto e trabalhador – não vamos exigir que seja “doutor”, mas será, estou certa, trabalhador exemplar, talvez “Bombeiro”, que é um dos seus sonhos de menino; para o aproximar da Instituição, vai começar pela Fanfarra”…

Necessariamente, o Vasco continua com acompanhamento científico, a pedido da mãe Margarida, que realça o excelente trabalho desenvolvido pela Psicóloga Patrícia, com quem o Vasco gosta de estar.

- “O menino quando veio para junto de nós tinha algum atraso no crescimento, por isso todo o trabalho que tem sido desenvolvido por quem lida de perto com o Vasco tem sido fundamental. Leva tempo até ele conviver com os jovens da sua idade com os mesmos objectivos, porque continua a existir uma diferença de comportamento em relação às outras crianças da sua idade. Com doze anos, já deveria frequentar outra escola e ter acompanhamento específico, mas infelizmente, no nosso País, é difícil para os pais de crianças inadaptadas recorrerem a outras alternativas no ensino”.

Margarida Neves consolidou o respeito e admiração de quem conhece o “caso Vasco” com algum pormenor, e elogia-se a coragem que, na sua opinião, ”não considera como tal”.

- “Eu e as minhas filhas fizemos o que as nossas consciências determinaram, e não contabilizamos os esforços económicos, físicos e mentais quando está em causa um ser humano carenciado. Faço a minha parte – espero que a sociedade cumpra com a sua”.

Adoptar o Vasco André não é prioritário. Segundo a Lei, a criança, a família de acolhimento e os pais naturais ficam sujeitos a avaliação de dois em dois anos. Nestes seis anos de “Mãe Coragem”, diz Margarida, as maiores alterações, francamente positivas, aconteceram na mente do Vasco – cresceu, evoluiu, fez-se “homem”, e lá mais para a frente, promessa de mãe, há-de conhecer os irmãos e os pais biológicos.

1 comentário:

Chá de Lucia Lima disse...

Vi esta peça de teatro mas, estou confusa com a actriz que fez de "Mãe"...se a Eunice Muñoz ou a Maria do Céu Guerra. Mas tenho quase a certeza que uma delas foi!

Gostei imenso.