3.2.09

“A última aula” de Randy Pausch



Se me perguntarem se sou feliz, respondo com naturalidade: sim e não – tudo depende do momento em que a pergunta é feita.
Não é necessária definição filosófica para termos a consciência do nosso estado de alma: contentamento, sensação de bem-estar, prazer, e um sem número de nadas que consubstanciam as emoções. Sendo certo que a felicidade chega sempre em pequenas doses e pelas mais diferenciadas vias, quando menos se espera…bate à porta: “…será chuva? Será gente? Gente não é certamente e a chuva não bate assim…” – Augusto Gil.
“Nem é vento com certeza…” mas pode ser a felicidade porque tem um “bater” suave e inebriante, assim:
Decide-se um primeiro encontro e, a páginas tantas, descobrem-se empatias nos olhares que sobram de cada conversa…
Espera-se o conhecimento das feições da pessoa que se adivinha espiritual e sensível na poesia das palavras que junta – o momento de satisfazer a curiosidade é sublime!...
Se “ela” diz que sim, como canta o poeta Viriato da Cruz no “Namoro” (que não me canso de citar!), aquele instante é divino…
A visita inesperada, o aumento de ordenado, uma agradável conversa, um opíparo jantar, uma noite de amor, o nascimento de um filho, … quanta felicidade – até no gesto de um cativante sorriso!
Há, pois, em cada dia – mesmo que a vida se mostre “madrasta” – segundos de prazer que não contabilizamos por manifesta ganância: foi pouco, quase nada – queríamos mais, quase tudo, um “jackpot” constante e permanente!
Se me perguntassem sobre a última vez em que fui feliz, diria: há pouco, quando li um belíssimo texto, embora curto, escrito na sombra do anonimato. Estou como certo sujeito que ia ouvir a “Flauta Mágica” de Mozart e abandonava a sala de seguida: ficava “saciado” para o resto do serão – assim estou eu neste principio de noite…
Pensando bem… continuo moderadamente feliz porque a dor que tinha nas costas já não me apoquenta, a música que ouço “descansa-me” em absoluto, há pouco espreitei pela janela e vi o céu estrelado, o chá de cidreira fumega na chávena, e daqui a nada tentarei adormecer depois de ler umas quantas páginas de um dos livros que tenho à cabeceira, talvez…“A última aula”, de Randy Pausch.
Dizer que estou “moderadamente feliz” implica assumir que, apesar de tudo, alguns pensamentos preocupantes estão adormecidos e talvez despertem, “travestidos em fantasmas”, antes do primeiro sono. Se isso acontecer, conto carneiros – dizem que é remédio santo para adormecer –, é melhor do que somar fantasmas. Acordar depois de uma noite de sobressaltos, não augura nada de bom para as primeiras horas do dia seguinte, o que não impede de sonhar com um bonito dia, mesmo que o céu esteja tapado por nuvens negras e a chuva persista, teimosa…
“Não podemos escolher as cartas que nos são distribuídas, a nossa liberdade reside em saber jogá-las” – Randy Pausch, professor de Ciência Computacional.
Morreu no dia 25 Julho, 2008, com 46 anos, vítima de um cancro no pâncreas
Aconselho vivamente a leitura da “ A última aula”.
… E, por favor, sejam felizes.

5 comentários:

Acácia de Cristal disse...

Como eu gosto do seu estilo de escrita...e já aqui não vinha visitá-lo há tanto tempo....parabens...continue assim

Parapeito disse...

Gostei do que li...
Neste momento fiquei um pouquinho feliz :)por saber que mais uma pessoa tem a mesma maneira de ver a vida...tambem penso assim.
O grande mal de muitas pessaos..é nao saberem dar valor aos pequenos momentos...e somar eles...
E porque tambem gosto e fico sempre feliz quando escuto em forma de canção aqui deixo um pouquinho ....

Tocaram uma rumba - dancei com ela
E num passo maluco voamos na sala
Qual uma estrela riscando o céu!
E a malta gritou: "Aí Benjamim!"
Olhei-a nos olhos - sorriu para mim
Pedi-lhe um beijo - e ela disse que sim.
na na na na...... :))

(vou tentar ler " A última aula")

E bora lá ser feliz :))*

Ailime disse...

Excelente o seu texto, revelando, talvez, um certo estado de alma, espreitando um sol que tarda em chegar!
Permita-me que transcreva uma citação de Bertrand Russel inserta num livro precioso que hoje adquiri:
"Estar sem algumas coisas que queres é parte indispensavel da felicidade"!

Um abraço.

Dennys Reys disse...

Penso que a felicidade não existe em vida; mas os momentos felizes são possíveis se os quisermos.

Jose Leitao disse...

Fascinante forma de escrever!
Encantadora forma de se estar na vida!
Bravo!

Descobri este blog...ao acaso! Vai ser um bom "livro" de mesinha de cabeceira!

Um "eremita" do Açor!

Cordialmente

Jotta