22.6.07

Como se fossem dois adolescentes

A meio da tarde, no bar, havia mesas livres; o casal entrou, escolheu uma delas, olharam os dois em redor e, já instalados, pediram que lhe servisse duas bebidas.

Os olhares perdiam-se pelas paredes, onde estavam exposta pinturas do Wild de Wildt, Rui Monteiro e Alberto Péssimo; a. música ambiente aconchegava o sossego do momento e o tom das suas vozes era suave.

Tocou um telemóvel, a senhora atendeu, levantou apenas um pouco a voz e falou em francês, expedita, de forma alegre. Repetiu por três vezes merci, e continuou, veloz, na articulação das palavras – sinal de que, para si, a língua de Nicolas Sarkozy lhe era familiar…

O cavalheiro, entretanto, inquire sobre o espaço: é público, não? Respondo afirmativamente. Sabe, acrescenta, como tem um estilo completamente diferente do habitual, a minha esposa deduziu que fosse um “clube privado”. Em traços largos, explico que o comércio das bebidas era um pretexto para algumas actividades culturais - a exposição que tinham à sua frente era um exemplo disso mesmo.

Terminada a conversa, foi a vez da senhora parabenizar os autores das obras expostas e quem tivera o arrojo de colocar de pé o espaço como se apresenta.

Agradeci a generosidade do que foi dito.

Pergunto se estão de férias por estas paragens. Responde a senhora: de férias já estamos há imenso tempo, somos reformados, e viemos de Leiria passar uns dias a esta região, que desconhecíamos em absoluto, pernoitamos na Pousada do Convento do Desagravo e durante o dia damos uns passeios por aí. É muito lindo, tudo aqui à volta, a serra, tudo!

O encantamento do olhar, transmitia alegria, satisfação, prazer, felicidade na forma mais pura – que sei eu desse sublime sentimento?

Sempre de sorriso nos lábios, desenhados num rosto de enorme beleza, disse ao que vieram em concreto, desvendou o segredo, enquanto o marido, talvez um pouco envergonhado, olhava terno e meigo a “jovem” e bonita esposa: faço hoje oitenta anos, e o meu marido presenteou-me com este magnífico passeio.

Oitenta?

Não, não imaginava aquela figura esbelta, meã na altura e aspecto prazenteiro com uma mão cheia de “viçosas primaveras”, muito próxima do centenário que, acrescentei, por certo irá comemorar…

Pedi licença por breves segundos, saí, fui à florista Clara, logo na esquina, comprei uma rosa (que não paguei, por que a Clara conhece de longe o meu “vício” por flores e partilha comigo a sensibilidade do belo, e volta não volta tem destas delicadezas…), e com o meu melhor sorriso ofereci-a à bonita senhora – apenas uma lembrança com que procurei honrar o seu aniversário e o amor do casal

…Fiquei com a sensação de que a rosa vermelha “ganhou vida própria” e um “rosto” – “um dos olhinhos sorriu, atirou-me uma piscadela” e eu fiquei a ver o casal, de mão dada, rua acima, como se fossem dois adolescentes apaixonados.

23 comentários:

ManuelNeves disse...

Viva.

Uma história da vida real.
A partilha do belo no seu máximo esplendor.
Emocionei-me.

Um bem-haja

GarçaReal disse...

Olá:
Gostei!História gira.
Voltarei sempre.
Deixo-te uma rosa perfumada...


bj

O Sentir dos sentidos disse...

Olá sensibilidade,

Primeiro vim até aqui pelo símbolo...chamou-me; Depois fui lendo teu texto, e imaginando a situação que vivenciou, pude sentir o teu sentir, tamanha foi tua entrega ao escrever o Belo, a rosa, o vermelho...o amor!!!
Ès grande no pensamento, nas atitudes, no sentimento...eterno sejas tu.
Aqui deixo meu convite, para uma visita em meu espaço.
E voltarei outras vezes está bem?
Uma rosa Vermelha...uma rosa vermelha!!!
Encantada!!!
Beijo,

Ritinhaaa disse...

papáaa :) adorei o textinho.. ta uma ternura... e sao momentos assim que nos fazem acreditar que o amor incondicional émesmo possivel!!! como o meu amor por ti.. ta bem, um pouco diferente mas nao deixa de ser incondicional sempre e para sempre!!! adoro-te mt papa :) obrigada pelo texto

l_eau_d_issey disse...

Adorei este bocadinho.... senti o cheirinho da rosa vermelha, visualizei cada gesto...o amor é lindo e existe...

GarçaReal disse...

Vim reler esta história de amor e desejar-te uma boa semana.

bj

MEU DOCE AMOR disse...

Bem linda esta história.A idade está no espírito.Por isso eram tão jovens.

Um beijinho doce e boa semana:)

papoila disse...

Bela história, bela gente desta terra de Leiria tão acolhedora...encontraram o local ideal para viver momentos de paz e amor...e pelos vistos valeu a pena...adorei partilhar.
voltarei sempre que puder
Um abraço

GarçaReal disse...

Só de passagem...

bj

Serenidade disse...

Gostei de passar e ver que já recuperou esta sua faceta de tornar o real ainda mais belo...

Já há muito que não me cativava tanto passar por aqui como hoje...

è lindo ver que ainda existem amores destes... Quem sabe...!

Um beijo do tamanho do mundo Tio Carlos.

GarçaReal disse...

A ver se havia novidades....

bj

Maria Liberdade disse...

é bonito quando é assim. E vão sempre lembrar-se de ti.

Era uma vez um Girassol disse...

"Uma história de ämor para toda a vida", muito bem contada, com imensa ternura e sensibilidade!
Meu amigo, a rosa, as mãos dadas, o passeio, oitenta anos...
Que beleza!
Bjs

O Sentir dos sentidos disse...

Olá,

Vim para ler algum novo escrito; nada encontrando...deixo meus sinceros desejos de que tenhas um Bom dia.
Paz Profunda . .
.

O Sentir dos sentidos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
O Sentir dos sentidos disse...

Paz Profunda,
. .
.

observador disse...

Boas!

Agora que li, acho que estive presente neste belo momento!!

Nos dias de hj já não se encontra nada assim...Parábens desconhecidos!

Abraço.

Anónimo disse...

Um amor maiúsculo com que todos sonhamos. Bem haja por partilhar o que de real ainda acontece.
Um beijinho para si

Minerva

GarçaReal disse...

Vim ver se havia novidades...

Assim deixo um beijo de bom fim de semana.

Tozé Franco disse...

Bonita história escrita com uma sensibilidade muito especial.
parece-me ter sentido o cheiro da rosa.
Um abraço.

GarçaReal disse...

Então mais nada?

Estou à espera...

bj

Serenidade disse...

já nem uma visita ao canto da sobrinha!

Este meu tio está a fica desleixado!

beijo!

GarçaReal disse...

Bom fim de semana.
Que se passa? Isto está parado...
Que pena....
bjs