27.3.07

"Morrer de amor"

...
"...Sempre tinha julgado que morrer de amor não passava de uma liberdade poética.Naquela tarde, de regresso a casa outra vez sem o gato e sem ela, verifiquei que não era só possível morrer, mas que eu próprio, velho e sem ninguém, estava a morrer de amor.
Mas também me apercebi que era válida a verdade contrária: não teria trocado por nada deste mundo as delícias do meu pesar".
____
Gabriel Garcia Márquez
"Memórias das minhas putas tristes"

21.3.07

Fim de festa


..


Queria ver-te nua
e da alma despida
na rua,
perdida...
Em gozos celestiais,
êxtases de loucuras
e orgias de entontecer,
banais seriam as tuas graças
- desventuras talvez!
E eu, rosto enxuto,
braços cruzados,
a ver morrer aos poucos,
de vez,
a alma, o corpo,
a tua imagem,
sem coragem
de oscular em fim de festa
o pouco que de ti resta....

...

Desenhei este amontoado de palavras ainda a censura ditava leis de azul, daí que não tivesse nascido em letra de jornal - aconteceu mais tarde, e anda por aí numa colectânea, pomposamente intitulada de "Novos Poetas".

Fica na leitura de quem merece lembranças...

20.3.07

Admirem-se com tanta ausência...

8.3.07

Falta uma no "bouquet"


Comemorar “dias especiais” à escala dos grandes acontecimentos nacionais ou internacionais só faz sentido pela visão comercial implícita aos ditos, o que não é novidade, mas como não havia talento nem engenho para iniciar esta croniqueta, fiquei-me pelos lugares comuns…

Sobre o “dia da mulher”, não entendo como pode ter o seu dia quando, de facto, elas, as mulheres, estão em maioria na sociedade, lideram importantes sectores da vida pública, e ainda há o pequeno pormenor de, no amor, pertencer-lhes sempre a última palavra, seja em que circunstância for. Refiro-me, naturalmente, às relações respeitosas e civilizadas entre o homem e a mulher.

Não duvido que, um dia, a “Mulher” governará o mundo pelos motivos que são óbvios. Por mim, sempre tive uma mulher por perto, reconheço-lhe importância no contexto familiar e nos afectos – pormenor a ter em conta, mesmo quando tudo não passa de conversa de retórica - como agora, dirão, mas não é! Adiante.

Claro que o assunto tem “pano para mangas” e eu não quero, de nenhuma forma, deixar que as ditas (mangas) fiquem demasiado compridas …ou curtas, e eu sem argumentos para continuar a “paródia”…

Que vivam todas as mulheres, hoje e sempre, principalmente as que me são próximas, embora me falte “uma” no bouquet para festejar o dia com a exaltação merecida.

3.3.07

De volta às "Memórias"...

"... Descobri que a minha obsessão de que cada coisa estivesse no seu lugar, cada assunto no seu tempo, cada palavra no seu estilo, não era o prémio merecido de uma mente ordenada mas, pelo contrário, um sistema completo de simulação inventado por mim para ocultar a desordem da minha natureza". Gabriel Garcia Marquéz