31.1.06

Jogo de (meias) palavras






Por que espero, se desespero?
E por que fico, se quero ir?
E por que vou, se quero ficar?
E por que insisto e não desisto?
Isto é loucura ou desventura?
Inconsciência ou pertinência?
Sabedoria ou estupidez?
...Mania?
Talvez...
Agora, que nada sei de mim,
fico assim, quedo,
e em segredo
não desespero
- espero, insisto!
Desisto?
_______
c.a.
.'.

"Nascer de novo"!

Depois da meia noite
vou acordar a minha mãe com dois beijos,
uma rosa
e dois pasteis de nata.

30.1.06

Os olhos da "alma"

Esta manhã havia sol na minha varanda. Abri a vidraça e o vento frio envolveu-me num abraço nada agradável. Deixei-me ficar alguns minutos enquanto olhava a serra e os montes na linha do horizonte. A neve tinha feito o "milagre" de os cobrir com um manto branco e o contraste com o azul do céu era imagem a merecer contemplação, como faço em circunstâncias idênticas.Desta vez, porém, a paisagem era outra -pensei!
Erro de apreciação: a serra e os montes sempre (?) estiveram "ali", e a neve também costuma ser presença assídua nesta altura, eu é que nunca tinha visto a paisagem com os olhos da alma - só quando estamos na varanda de um sexto andar, ao frio, é que nos apercebemos que temos "uma"!

25.1.06

Os "pavarottis" da minha rua!

Estou sem poesia capaz de articular meia dúzia de palavras com sentido estético.
.....
O canário continua prisioneiro na cela de grades brancas, saltita de poleiro em poleiro, chilreia mas não interpreta melodia de jeito, como qualquer canário que se preze... Aguardo pelo calor da primavera para o deleite dos seus trinados.
Ontem trouxe-o de volta ao jardim de entrada, sempre vê pessoas; algumas assobiam-lhe, feitas pavarottis . O animal olha, inocente, e não responde, talvez por não lhes reconhecer mestria na arte do "assobio".
Por mim, alimento-o e cuido da sua prisão para que não se sinta tão constrangido na existência penosa.
-Felizes são os pardais, que vivem em liberdade - deve pensar o canário.

23.1.06

Eu, "alegre" me confesso (2)

Em Democracia o voto é um verdadeiro cavalo alado que corre, salta, voa, consoante algumas circunstâncias sociais. As vitórias e as derrotas, embora não sendo obra do acaso, nunca representam a vontade do todo, mas apenas e só parte desse todo.Imagine-se que todos os portugueses abstencionistas exerciam o direito de escolher o presidente da República... possivelmente os resultados deste domingo tinham sido outros, na forma e no conteúdo!
Perante factos....
Encontrado o Presidente, há que respeitar os "vencidos", mas mesmo aqueles para quem um punhado de votos não significa alcançar o topo do pódio, a derrota pode não ser vista como tal, dadas as circunstâncias (ainda e sempre) sociais... e políticas do País. Assim sendo, quem foi atrás de um ideal e se entregou à luta convicto da sua coerência, a vitória pertence-lhes por inteiro.
Por isso, "alegre" me confesso.

20.1.06

.'.

Tenho a casa cheia de nada - apenas um canário saltita na
gaiola.Espero que cante.

17.1.06

"- Olá, como está?"

A Fernanda é senhora de amizades antigas. As vicissitudes da vida afastaram-nos de um ocasional "- olá, como está?". Nos últimos anos contam-se pelos dedos de uma mão as vezes que nos cruzámos; ontem visitou-me e gastou algum do seu tempo numa conversa de sentimentos. Inesperadamente.
As palavras vinham em catadupa, fluentes, precisas, e foi fácil entender que eu era terra de aluvião onde poderiam germinar - ela notou-o, eu confirmei.
Manifestei-lhe, à despedida, a surpresa de a saber assim, importante, presente, num tempo de alguma fragilidade espiritual...
Que forças superiores a trouxeram até mim para me falar de recomeços, descobertas, conquistas e vitórias?
...
Alguns dos gestos tornam mais "leve a tonelada".

14.1.06


A palavra solidão pesa toneladas!
(Desconhecia que as "coisas" falavam!E gritam!Algumas sorriem...)

13.1.06

"Está frio"...


Há momentos em que a vida não tem sentido - ou parece não ter...
Tenho frio - está frio cá dentro. Não tenho agasalho capaz...
E chove - falta-me resguardo.
Vou recomeçar a caminhada outra vez, se tiver engenho e arte e alguma força física e mental.
Falta pouco para chegar.
- Chegarei!

9.1.06

Vamos a "votos"!

"Eu", no lápis de Paulo Araújo





Há um tempito zanguei-me por coisa pouca com o vizinho do terceiro esquerdo. Era chato porque o senhor cruzava-se comigo e eu ficava sem jeito: "olho para ele ou não, digo bom dia ou finjo que não o vejo"? Estas dúvidas atormentavam-me com frequência, ou com a frequência com que passávamos um pelo outro, para ser sincero. Então, resolvi fazer as pazes com o senhor Silva (é o último nome do meu vizinho...) e agora, pelo natal, desejei-lhe "boas festas", estendendo a mão.
Retribuição da praxe, que agradeci.
Simpático, este senhor Silva!...
- Pronto, pensei, assim é que é bonito, os vizinhos não devem andar desavindos, ainda nos cruzamos em algum sítio público com mais pessoas por perto, e continuaria a ser chato alguém notar a indiferença mútua...
Confesso que fui um pouco agressivo com ele no dia em que decidi virar-lhe as costas- até fiz por esquecer o seu nome próprio, com o intuito claro de o desconsiderar aos ouvidos de quem estava. Errei, dou a mão à palmatória da professora Georgina, que já morreu, por isso descanse em paz; por mim está perdoada - as reguadas nem sempre eram justas, mas o que lá vai, lá vai.
Como se vê, tenho esta mania de esquecer e perdoar os arrufos, as injustiças, etc, etc...
Entretanto, o senhor Silva candidatou-se ao lugar de presidente do condomínio do prédio que habitamos e não está de modas: organiza um comício junto à porta do elevador, no rés do chão, com a intenção de explicar aos restantes inquilinos as razões da sua candidatura ( um ritual de todos os comícios, digo eu...) ! Ainda lhe zumbi ao ouvido que sem um "bebício"era difícil juntar as pessoas, o senhor Silva concordou e deu, de imediato, ordens à técnica da limpeza das escadas para comprar bifanas, "minis" e sumos sem gás.
Como sou presidente do clube do bairro e tenho alguma influência (modéstia à parte) junto dos vizinhos do primeiro andar e não só, o senhor Silva, sem qualquer intenção de se aproveitar da minha posição social, é preciso que se diga, convidou-me para estar ao seu lado no dia da festança.
E assim foi! Até usei da palavra para afiançar que a nossa desavença foi coisa de putos, hoje somos grandes amigos, enfim.... disse o que a ocasião pedia, do alto meu havano, num jeito, tipo democrata, eu é que sei, eu é que mando - essas coisas que sempre se dizem quando se tem um estatuto social como o meu!
Agora é esperar pelo dia das eleições, que estão para breve.
E em Fevereiro há Carnaval ...

5.1.06

Navegar é preciso!

Olho à minha volta,
leio, ouço, e fico com a sensação de que não vale a pena reunir forças e ir às urnas no próximo dia 22 para o combate democrático que se avizinha. As pessoas renunciaram à luta, não discutem, votar será um acto cívico sem grande impacto nos resultados finais....
Poderá não ser assim, mas a sensação desconfortável existe, e isso preocupa-me.
O Presidente não "manda no País", todos o sabemos, mas não deixa de ser a figura máxima - o CHEFE!
Se está nas nossas mãos a sua escolha, demitimo-nos desse direito democrático?
Talvez a pré-campanha eleitoral tenha conseguido esclarecer (?) o Povo; se assim foi, vamos todos "morrer na praia" e entregar o ouro ao bandido: (também) é um direito que nos assiste!
Cá por mim, continuo firme no sonho, e acredito que navegar é preciso!!!